de olho no mensalão

pelo Movimento 31 de julho

Não se afoguem…

1 comentário

Não se afoguem no champanhe, mensaleiros!

NOSSA OPINIÃO

Hoje tem festa em Osasco. O incrível deputado João Paulo Cunha, candidato do PT a prefeito da cidade, vai abrir umas garrafas de champanhe pelo voto do ministro Lewandowiski por sua absolvição. Afinal, o revisor do processo do mensalão se convenceu, pela “verdade processual”, de que a esposa do deputado foi pegar 50 mil reais na boca do caixa do Banco Rural para pagar “pesquisas eleitorais”. Então, tudo bem! Além disso, a acusação não “logrou êxito” em convencer Lewandowski de que houve subcontratações demais sem licitação numa prestação de serviços. Afinal, a Procuradoria falou em 99% do total, mas depois retificou para “apenas” 88%.

E assim segue este extraordinário julgamento: uma noite os réus comemoram; na outra, quem sabe? Teremos, na próxima sessão, a réplica do ministro relator, Joaquim Barbosa, e talvez o início dos votos dos demais ministros. Parece que Lewandowski fez o ex-diretor do BB, Henrique Pizzolato, de boi de piranha, para deixar o incrível João Paulo Cunha atravessar o Rio da Impunidade. Hoje tem festa em Osasco, mas ainda tem água para ser atravessada nesse rio. Cuidado, deputado, para não se afogar antes no champanhe!

Inicio

Anúncios

Autor: deolhonomensalao

O MOVIMENTO 31 DE JULHO é o responsável por este blog. Desde meados de 2011 o movimento vem organizando e participando de manifestações contra a corrupção e a impunidade, tais como: passeatas, comícios e também ações na Internet, realizadas em conjunto com outros grupos do Rio de Janeiro e de todo o Brasil. Promoveu o abaixo-assinado – SOS_ STF- pelo julgamento do Mensalão, o Troféu Algemas de Ouro e a Campanha do Pega Ladrão. Vem contribuindo para causas vencedoras, como o reconhecimento da constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa, a confirmação do poder do CNJ de investigar e punir irregularidades no Judiciário e a confirmação do julgamento do Mensalão, a maior conquista da sociedade contra a impunidade.

Um pensamento sobre “Não se afoguem…