de olho no mensalão

pelo Movimento 31 de julho

Mensalão: Toffoli continua?

Ministro Toffoli participa de julgamento do mensalão

RICARDO BRITO – Agência Estado

A dúvida acabou. O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF) participará do julgamento do processo do mensalão. Amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e do ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, o principal réu da ação penal e com quem já trabalhou durante a passagem de ambos pelo governo, Toffoli, no seu primeiro pronunciamento, votou a favor de manter o processo contra todos os 38 réus na Corte.(…)

Thomaz Bastos queria manter no Supremo apenas o julgamento dos deputados federais João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto (PR-SP). Contudo, Toffoli é o quarto voto a favor de manter o processo no tribunal. Até o momento, apenas o ministro Ricardo Lewandowski, revisor da ação, concordou com a tese de Thomaz Bastos, ou seja, pelo desmembramento do processo. “Se levarmos ao pé da letra essa tese, imagine quantas causas seriam anuladas”, argumentou Toffoli.

Embora o julgamento esteja ainda na fase preliminar, o processo já iniciou do ponto de vista legal. Ou seja, Gurgel não poderá questionar mais a participação de Toffoli no julgamento do caso.

Leia matéria na integra aqui

Inicio

Anúncios

Autor: deolhonomensalao

O MOVIMENTO 31 DE JULHO é o responsável por este blog. Desde meados de 2011 o movimento vem organizando e participando de manifestações contra a corrupção e a impunidade, tais como: passeatas, comícios e também ações na Internet, realizadas em conjunto com outros grupos do Rio de Janeiro e de todo o Brasil. Promoveu o abaixo-assinado – SOS_ STF- pelo julgamento do Mensalão, o Troféu Algemas de Ouro e a Campanha do Pega Ladrão. Vem contribuindo para causas vencedoras, como o reconhecimento da constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa, a confirmação do poder do CNJ de investigar e punir irregularidades no Judiciário e a confirmação do julgamento do Mensalão, a maior conquista da sociedade contra a impunidade.

Os comentários estão desativados.